Polêmica: Frida “makeover” repaint

Quando você acha que a ditadura da beleza não pode mais quebrar nenhuma barreira ela quebra a do tempo, do espaço e da arte. A imagem que está circulando na internet desde 2012 refaz o auto retrato da Frida Kahlo. Nele, vemos uma Frida quase irreconhecível moldada pelos padrões estéticos impecáveis do que seria, hoje, o aceitável social e culturalmente. 

cos-frida-kahlo-makeover-de-540x600

O tumblr com o nome “toonsketchbook” postou na rede social o que ele mesmo intitulou de Frida makeover repaint. Junto da “obra” o comentário abaixo:

“Ok, então eu sei que isso é meio tabu, mas de qualquer maneira. Frida Kahlo: Não é muito agradável aos olhos. Quero dizer, ela tem o bigode e a monocelha. Ela não sabia onde colocar o blush ou qual a cor de batom que combinaria com seu tom de pele. Realmente, ela é meio que um desastre. Então, isso me levou a pensar. O que teria acontecido se as amigas tivessem feito a coisa certa e levado para uma esteticista (o que claramente precisava acontecer)?”

O incômodo com a aparência da pintora mexicana inspirou o “artista” a recriar o visual de um dos seus auto retratos. Reparem que sutilmente a cor do batom foi trocada, o tom de pele homogenizado e as olheiras apagadas. Me atrevo a dizer que essa Frida usa sombra creme, um marronzinho no côncavo e delineador. Básica. Ela ousa nas roupas, nos acessórios, na sua arte!

+ O estilo de um mito: Frida Khalo

Todos os seus pelos foram estrategicamente retirados. Sua expressão não é mais a mesma. Pinça, laser, cera quente, fria, morna, fervendo […]! Todos os artifícios para desnaturalizar o natural nas mulheres. É bom reforçar, nas mulheres. Esforços nunca são poupados, ou você não é “muito agradável aos olhos”. Frida Kahlo, então, é um “desastre”.

A menos que.. Quase 60 anos após sua morte, seu legado ultrapasse a tinta sobre a tela e, a intensidade da sua dor estampada nas cores primárias e brilhantes vire tendência e continue sinônimo de resistência. Assim como seu penteado mais característico – a trança-tiara – e toda uma releitura do seu estilo e beleza marcantes – a sobrancelha mais grossa e natural vem desde o inverno e continua forte no verão. 

Trança-tiara à la Frida Kahlo nos desfiles de Rebecca Minkoff, Fatima Lopes e Naeem Khan (Foto Imaxtree)Trança-tiara à la Frida Kahlo para o verão 2014 nos desfiles de Rebecca Minkoff, Fatima Lopes e Naeem KhanPara copiar, separe o cabelo em duas mechas e trance-as. Encontre as pontas das duas tranças na parte de cima da cabeça, formando uma tiara, e esconda as pontas para dentro, prendendo com grampos.

Para lançar a coleção Verão 2014 de sua segunda marca, a PatBo, a estilista mineira Patricia Bonaldi inspirou-se na musa mexicana. Assim como as roupas, a beleza do desfile, criada por Henrique Martins, trouxe muita cor e tons vibrantes. Uma versão moderna e fresca da artista. Afinal, todxs somos Frida! E não ao contrário.

Como o usuário do tumblr não existe mais, o autor da modificação ainda é desconhecido. Mas podemos dizer que, no mínimo, ao reduzir o trabalho de uma vida aos pelos do rosto, se trata de alguém que não reconhece – nem merece –  a beleza dilacerante do trabalho da mexicana.

“La belleza y la fealdad son un espejismo porque los demás terminan viendo nuestro interior.” – Frida Kahlo

Anúncios

Fashion: Moda e Política #1

Se você ainda acha que moda e política não tem nada a ver, você está por fora. OUT! Moda na política vai além das t-shirts, bottons, bonés e canecasApresentada pela Scott Paper Company em 1966, e inspirada pela Op. Art (arte óptica), os vestidos de papel rapidamente viraram um fashion trend da época. Líderes políticos continuam inspirando estilitas e, mais atualmente, eles mesmos criam iniciativas fashion para promover suas campanhas eleitorais.

Untitled-2

(Photo by Robert Pavuchak, Pittsburgh Press)

1. Richard Nixon

Em 1968, a campanha presidencial de Richard Nixon nos EUA contou com a ajuda da moda e entrou para a história. O modelo feito de papel com estrelas azuis e “NIXON” escrito com letras vermelhas garrafais em um fundo branco foi vestido pelas trabalhadoras de campanha. Na foto, as jovem meninas Nixon o aguardam na Civic Arena para cumprimentá-lo na sua chegada ao comício.

2. Mao Tsé-Tung

A polêmica figura do líder da China Comunista inspirou a estilista chinesa Vivienne Tam a criar um modelo tailleur com a estampa de Mao Tse-Tung em 1995. “China Chic” é o nome do livro no qual ela aborda as pessoas pelas ruas para descobrir como elas definem estilo.

E por que o enfoque no ditador? “Ele é um ícone tão sério,” diz Tam. “Todos tem tanto medo dele.” Vivienne ainda acrescenta “Onde mais poderia um homem dizer a mais de 1 bilhão de pessoas o que vestir? […] Desde o início de sua carreira política, Mao Tsé-Tung foi um czar da moda – mas, como sempre, por meio de contradições. Para Mao, era anti-fashion: ele tentou igualar as pessoas por aquilo que elas usavam.”

3. Dwight D. Eisenhower

Vestido com estampa em apoio ao presidente americano Dwight D. Eisenhower (apelidado Ike), um dos mais populares que os EUA já tiveram (1956). A cintura marcada delineando a forma do corpo e a elegância do volume na parte de baixo – saias godê – já marcava a tendência da época

 (Photograph by Irving Solero, © The Museum at the Fashion Institute of Technology, New York.)

4. Barack Obama

Thakoon, Jason Wu, Marc Jacobs and Alexander Wang

Após o sucesso da Runway to Change (2008), em sua campanha de reeleição, em 2012, Barack Obama apostou novamente no mundo da moda. Para atingir novos e jovens eleitores que gostariam de demostrar suporte à sua candidatura de uma maneira fácil e fashion, a grife Runway to Win contou com um grupo seleto de mais de 23 estilistas voluntários, entre eles: Thakoon, Jason Wu, Marc Jacobs e Alexander Wang.

A exclusiva e limitada coleção incluía desde esmaltes até bolsas e camisas. Todo o dinheiro arrecadado foi doado ao Obama Victory Fund, estima-se algo em torno dos $40 milhões.

Vestido Obama de Jean-Charles de Castelbajac apresentado em seu desfile (coleção verão 2009). “I have a dream today”

A popularidade do presidente norte-americano dispensa dúvidas, e ser tão pop garante o apoio da maioria dos artistas mais famosos do mundo. A Moda Obama foi um BOOM no mundo fashion e movimentou milhões de dólares, incentivando estilistas de todo o mundo a basear suas criações com referências à bandeira e as cores dos EUA, nas citações e no próprio personagem carismático de Obama.

Beyoncé e Katy Perry estão entre os artistas que mais demonstravam sua escolha política para o público.

Beyoncé e Katy Perry estão entre os artistas mais entusiastas que demonstravam sua escolha política para o público.

Na continuação da Série Moda e Política #2, vou dar enfoque exclusivo para a influência dos movimentos políticos brasileiros na moda nacional.